Dicas de vinhos
2886-1415.jpg

Combinar comida e vinhos não é tarefa das mais simples. Qualquer detalhe da comida, como um tempero a mais, por exemplo, pode refletir em uma péssima combinação. E não é só isso.

 

        Para os especialistas, a escolha da bebida está associada a fatores climáticos e ao local onde você se encontra. Quer um exemplo? Eles dizem que não fica nada bem apreciar a bebida em uma danceteria com som no último volume e cheiro de cigarro. Ou ainda experimentar o vinho no verão, quando ele deve ser tomado no inverno. O ";recomendável";, segundo eles, é um local aconchegante para que a apreciação seja bem feita e você possa saborear o gosto da bebida com concentração e ambiente apropriado. Mas há quem não se importe com tantas regras. A paixão pelo vinho rompe limites e, dessa forma, não há clima nem local que o faça dispensar a bebida. Em qual desses grupos você encaixa?

 

        Para cada tipo de refeição há um vinho que combina melhor com o seu paladar. Os suaves devem acompanhar pratos pouco temperados, já os fortes e encorpados são ideais para pratos mais condimentados. E, se numa mesma ocasião, você tiver a oportunidade de experimentar vários tipos de vinhos, o melhor deve ficar sempre para o final da refeição, para que a boca conserve o sabor. Outra norma universalmente aceita é servir vinhos brancos para acompanhar carnes brancas (aves, peixes, crustáceos). Na verdade, o vinho branco pode acompanhar qualquer prato, até mesmo os de massas, tradicionalmente identificados pelos italianos com os vinhos tintos. O importante é que o vinho valorize o prato que você escolheu.
 

Entradas - Com as entradas deve ser servido vinho branco seco, vinho verde branco, vinhos generosos secos ou ainda vinhos espumosos secos.

 

Sopa - Com sopa é clássico ";molhar-se a boca"; com generosos secos. No entanto, os vinhos rosados e os espumosos podem servir de vinho único ao longo de uma refeição.

 

Saladas- Aos pratos avinagrados, como saladas muito temperadas, não convém nenhum tipo de vinho.

Peixes - Com peixe serve-se o mesmo vinho que serviu para os aperitivos (vinho branco seco ou verde). Se forem servidos com molhos picantes, aconselha-se um vinho branco suave.

 

Massas - Com massas, legumes, arroz e ovos servem-se vinhos brancos adamados ou tintos ligeiros.

 

Carnes vermelhas - As carnes vermelhas e a caça, assadas ou guisadas ou em pasta (tortas recheadas, empadas), servem-se acompanhadas por vinho tinto encorpado. As carnes assadas também combinam com vinhos espumosos secos.

 

Queijos - Com queijos fermentados (crus) servem-se vinhos tintos fortes. Queijos de pastas cozidas (tipo gruyére) pedem vinhos tintos mais leves. Com queijos frescos servem-se vinhos brancos suaves.

 

Doces - Com doces não alcoolizados servem-se vinhos doces brancos, espumosos doces ou ainda generosos doces e meio-doces. Com doces confeccionados com licores ou aguardentes, só devem servir-se as bebidas utilizadas na sua preparação.

 


Combinações de alguns dos principais queijos com opções de vinho

 

BRIE
Características: Origem França Aveludada casca branca produzida pela Pennicilium

Candidun, massa branca e cremosa, após 20 dias de fabricação.

Como servir: Puro, com pães, em saladas, em recheios e acompanhamentos de carnes.

Acompanhado de vinho branco Chardonnay, para brie jovem, ou tinto Shiraz, para brie

maduro (mais de 30 dias).

 

EMMENTAL
Origem Suíça. Massa amarelo claro, textura macia, grandes olhaduras

 e sabor adocicado. Formas grandes de até 100 quilos

Como servir: Puro, em fondues, sanduíches ou pratos para gratinar.

 Vai bem com vinhos tintos Pinot Noir e Cabernet Sauvignon.

 

GORGONZOLA

Massa cremosa ou quebradiça, sabor pungente ligeiramente salgado,

veios azulados da maturação por Pennicilium Roquerforti.

Como servir: Puro, sopas, pizzas e em molhos e vinho tinto

encorpado do tipo San Giovese.

 

PARMESÃO
Textura firme e granulosa, sabor caracteristicamente picante

e ligeiramente salgado.

Como servir: Puro, em saladas e carpaccio ou ralado sobre massas.

 Uma boa opção é ser escoltado por vinho tinto Cabernet Sauvignon.

 

CAMEMBERT

Características: Massa branca, cremosa, coberta por característica aveludada casca

 branca originada na maturação por Penicillium Candidum.

Como servir: Puro, com pães, pera ou maçã verde, em saladas, em recheios quentes.

 Com vinho tinto Shiraz, se o camember for maduro (acima de 20 dias) ou um branco

Chardonnay, se ele for jovem.

 

PROVOLONE

Características: Massa fechada amarelo clara, sabor defumado e ligeiramente picante.

Como servir: puro, assado ou à milanesa, combina com vinhos tintos

 Pinot Noir e San Giovese.

 

ROQUEFORT

Características: Feito de leite de ovelha, levemente cremoso e úmido, e com veios

 azul esverdeados da maturação por Penicillium Roqueforti.

Como servir: Com saladas, outros queijos e um vinho branco do tipo

 Semmilon Late Harvest, ou moscato.